16 de nov de 2014

61 - Produzindo Jaguara - Participação na Comic Con Experience

Toikobé!
Uma grande novidade aqui no estúdio para todos nós: vamos participar da Comic Con Experience que será do dia 04 ao dia 07 de dezembro!!!!!



E o que isso pode e irá significar para mim como artista, como empreendedor e para quem trabalha comigo no estúdio e para o estúdio?
EXPOSIÇÃO!!!
Eu acredito muito nesse evento particularmente e está sendo organizado por caras comprometidos com a cultura pop atual (ou Nerd, como queiram...), que inclui a área de Quadrinhos, que hoje já está a muito tempo vinculada ao mundo das animações, filmes com suas adaptações, action figures e sem falar no crescente mundo dos games.
O Omelete é um site de cultura pop que visito diariamente e são estes caras que estão organizando este mega evento, que terá empresas do porte da Disney, Fox, Warner, Mauricio de Sousa Produções, Sony, Cartoon Network, Panini dentre outras grandes empresas do setor pop.


Home do site do Omelete, um dos melhores sobre cultura pop da atualidade.

Não é fácil estar num lugar desses, pois tem-se muita disputa por espaços e principalmente um alto custo de investimento, mesmo para nós pequenos.
Entretanto, expor nosso trabalho sempre exige tempo, talento, crença e dinheiro, não tem jeito.
A Jaguara foi retomada com vigor e metas estabelecidas. O próximo livro sairá dia 19 de abril de 2015 e em sua página do Facebook, mostro algumas das páginas do livro II que estou produzindo no estúdio:



Lápis e cor de uma das sequências do livro II, entitulado "Jaguara e o Segredo dos Guarini Ka'i".


Para o primeiro semestre de 2015, irei publicar o primeiro livro infantil da Jaguara Mirim.
Um game da Jaguarinha (como a equipe a chama carinhosamente) está em desenvolvimento e estaremos na Comic Con Experience exatamente para buscar apoios e parcerias.


Imagem promocional do game da Jaguara Mirim em desenvolvimento inicial. Aqui vale meus profundos agradecimentos a todos aqueles que dedicam seu tempo, carinho, talento e crença na pequena guerreira: Rafael Secco, Karina Souto, Luiz Fernando, Denis Oliveira, Edu de Assis e David Menezes. Obrigado galera. Estaremos todos por lá...


Tela capturada do jogo que estamos desenvolvendo na engine UDK 4, onde mostra a Jaguara Mirim explorando o cenário do jogo.

Um game da Jaguara sempre esteve nos meus planos e estarei lá em busca de parcerias neste projeto também.
Além disso, hoje, sou instrutor numa rede de escolas de computação gráfica chamada RedZero, que através de incentivos internos, me pôs em parceria com um super artista escultor chamado Elias Lagares, que vai me ajudar a desenvolver esculturas da Jaguara e de seus personagens, incluindo os personagens do folclore que aparecem em seu universo, sob minha interpretação artística.
Agradeço aqui então ao Marlio Silva, coordenador que me selecionou inicialmente, ao Raphael Braga, Diretor Acadêmico que me entrevistou, à gerente da unidade Lapa, Roberta Andrade que me apresentou ao Elias e à gerente Sandra da unidade Tatuapé, que me recebeu com muita hospitalidade e atenção para que eu trabalhasse o mais à vontade possível.


Home do site da RedZero.


Página do Facebook de Elias Lagares. Vale muito a visita. O cara manda muito bem em modelagem.

E um dos personagens que o Elias irá esculpir será o Saci Aíba!
Vou dizer algo aqui, que é quase uma confissão juvenil: não vejo a hora de ver esta escultura feita por ele, pois tenho certeza que será show!!!!! 
O Elias irá se basear nestas 3 ilustras do Saci para compor sua escultura:




Como admirador do trabalho desse artista, tenho certeza que irá compor e fazer uma ótima escultura.
Inclusive, estou colocando na página do Facebook da Jaguara todo esse processo de criação da modelagem dessa escultura e de outra da Jaguara que eu estou fazendo com a supervisão do próprio Elias.
Estarei junto dos integrantes e parceiros do estúdio, demonstrando ao vivo o processo de criação e produção de ilustrações, tanto da Jaguara, quanto dos personagens que desenvolvemos no estúdio, como o Nabil, a Jaguara Mirim, o Saci de Duas Pernas. 
Estaremos trabalhando em nosso pequeno espaço com duas formas de ilustrar: a tradicional e a digital.
Teremos ilustradores desenhando e colorindo manualmente, com papel, lápis, aquarela e lápis de cor de um lado da mesa de nosso estande e do outro, ilustradores trabalhando com uma Wacom Cintiq, ápice da tecnologia artística digital dos tempos de hoje.


O mestre Moebius fazendo uma demonstração em uma Wacom Cintiq no Festival de Angouleme em 2010 neste vídeo no You Tube.


Além disso, estarei mostrando o portfólio do estúdio, que pode se ter uma prévia no novo site:


Home do site do estúdio Eureca! Design. Com muito orgulho...


Irei com muitas expectativas à este evento, simplesmente para mostrar o trabalho do estúdio e apresentar a Jaguara ao máximo de pessoas possíveis.
Sei que o que encontrarei por lá será, além de um universo de pessoas apaixonadas como eu, encontrarei gigantes do mercado de entretenimento, encontrarei a nata de ilustradores de nosso país, o Maurício de Sousa, grandes estúdios, e uma infinidade de personagens conhecidos mundialmente.
Esse último "detalhe" me faz pensar que tentar mostrar personagens novos e totalmente brazucas seria muito difícil, por conta da competição natural com estes personagens que todos conhecem em todo mundo.
De frente ao espaço onde ficarei, terá um estande de cosplays e será muito legal ver a movimentação e a criatividade dessa galera ao declarem seu amor aos seus personagens preferidos.
Como criador, não deixo de ter um pensamento muito intimista e sonhador, de que quem sabe um dia, a Jaguara possa cair no gosto do público.
Penso não existir fórmula mágica para isso a não ser "dar as caras" e investir nisso.
Investir esperança, talento, trabalho duro, Amor, dedicação, estudo e grana, é claro.
Oportunidades sempre aparecem quando estamos direcionados mentalmente para aquilo que amamos fazer. Elas surgem é verdade, mas também em muitos momentos temos nós mesmos de criar estas oportunidades.
Durante um tempo, muitas mudanças aconteceram na minha Vida que me fizeram perder e rever muitos conceitos e lidar com alguns medos bloqueadores.
Conceitos vão e novos conceitos surgem. E sempre minhas personagens estiveram ao meu lado, pois são criações minhas e desta forma, percebi mais ainda como é um Amor diferente que o criador tem com sua criação.
Então, deixar sua criação escondida ou ela ficar assim por conta de medos infundados e bloqueios tolos, é injusto. Injusto com a criação, injusto com o criador.
Penso então que muitas vezes fazemos nossa própria sorte e construímos nosso próprio caminho. De olho em oportunidades é claro, mas nós somos seres transformadores quando queremos e deixamos esse Amor pelo trabalho fluir e ser livre.
Um aluno meu, por coincidência, me perguntou ao saber da minha participação nesse evento, se isso não me intimidava, principalmente pelo alto investimento financeiro que até exigiu alguns empréstimos, ao tentar levar uma Jaguara que apesar de ser brasileira, é totalmente desconhecida do grande público.
Bom, eu pensei e disse à ele que pensasse em todos aqueles personagens maravilhosos e conhecidos mundialmente que os fãs vão homenagear, vestindo suas camisetas, comprando suas HQs, games, assistindo seus filmes e animês, fantasiando-se dos mesmos. Que pensasse o que aconteceria se cada criador de cada personagem desses se intimidasse em expor seu personagem por estar em "desvantagem" financeira ou de tamanho de exposição na mídia, as pessoas não teriam opções para descobrir, gostar ou desgostar desses personagens.
Que todo herói de capa pararia no Superman, todo herói sinistro pararia no Batman, todo herói de tira pararia no Menino Amarelo, todo herói das selvas pararia no Tarzan, todo personagem de crianças reais pararia na Turma da Mônica. Não teriam opções.
Então, resumi minha participação neste evento à simplesmente ir lá e oferecer UMA opção à mais, para quem quiser conhecer.
Sem esperar nada além disso, senão mostrar o que sei fazer e o que criei, pois trabalhei e trabalhamos muito pra isso. Porque existem outras pessoas envolvidas que também acreditam nisso e que todos nós aqui, merecemos também nos expor e procurar por uma chance. Porque trabalhamos muito para ela ser o melhor que podemos oferecer.
Então a Jaguara irá (e assim terminando meu discurso em tons dramáticos) à Comic Con Experience como uma opção de leitura para quem quiser conhecê-la.
Se o criador não acreditar no seu próprio trabalho, ninguém fará isso por ele.
Este ao meu ver, é o único caminho de um criador para mostrar sua criação ao mundo.

ACREDITAR e TRABALHAR DURO...

É isso! 

Nos veremos por lá então!

Valeu!!!

22 de out de 2014

60 - Produzindo Jaguara - Novas páginas do livro II

Toikobé!
Novas páginas do livro II da Jaguara saindo da colorização:

Lápis da página 8 do primeiro capítulo: Ikan enfrenta um colossal Jacaré-açu.


Colorização digital da página 8 feita por Lucas Emiliano.

Lápis da página 9: Ikan ataca o Jacaré-açu.


Colorização da página 9 por Lucas Emiliano.

E a produção segue a todo vapor.

Até a próxima!

Valeu!

10 de out de 2014

59 - Produzindo Jaguara - Novo poster e nova arma

Toikobé!
Sem muitas delongas ou xurumelas, uma nova pintura da soberana Jaguara.
Desta vez, explorando um pouco os poderes da milenar Lança de Tupã, que pode se transformar dentre outras armas, em um poderoso arco com flechas duplas:


A altiva e feroz guerreira líder dos Krenakores e seu arco encantado.


É isso aí.

Até a próxima!

1 de out de 2014

58 - Produzindo Jaguara - A obra fica

Toikobé!!!!!!
Faz um bom tempo, mas novamente estamos aqui.
Sempre algo nos traz de volta para projetos de Vida que aparentemente são congelados por qualquer motivo de força maior.
Este meu blog, que é um pouco de meu trabalho e aspirações me permite ser expontâneo... e estou sendo agora.
Quero falar um pouco de trabalho, de Quadrinhos e ilustrações, mas hoje quero dividir algo especial que veio de uma notícia muito triste.
Dia 11 de setembro faleceu um mestre e um amigo muito querido: Antonio Cedraz.
Estava dirigindo quando recebi a notícia e fiquei em choque, e preso no trânsito da marginal Tietê, tive tempo de lembrar muitas passagens que tive em conversas divertidas e inspiradoras.
Imediatamente, pensei em escrever algo, mas eu achei melhor esperar para escrever algo mais apropriado e menos dramático possível, já que a própria notícia em si é um grande drama da Vida.
Comecei a me lembrar antes de tudo, da minha admiração pelo trabalho do Cedraz com a Turma do Xaxado.
Li as primeiras tiras por volta de 2002 e me apaixonei pelo trabalho incrível, onde o protagonista é um garoto do interior da Bahia e suas tiras retratam de forma bem humorada, como o espírito do Cedraz era, todas as passagens, dia-a-dia e amarguras desses personagens no interior do Nordeste.
Um trabalho regional que tomou o Brasil pela simplicidade do traço, pela originalidade e coragem de retratar os costumes e problemas enfrentados por uma grande parte de nossa população no Nordeste do país.

Umas das minhas tiras preferidas dentre centenas.

Obviamente, a inspiração de seu trabalho me tocou mais profundamente por eu ser um criador e ter meus personagens que são frutos de nossa cultura.
Cedraz sempre foi (e é) uma inspiração...
Mas certa vez, para minha felicidade, eu acabei conhecendo meu ídolo e descobri que ele realmente era um cara super simples, bem humorado, modesto e atencioso. Muito brincalhão e perspicaz, logo percebeu minha admiração pelo seu trabalho e meu deu o privilégio de sua amizade.
Isso era por volta de 2003 e geralmente eu o via a cada entrega do troféu HQ Mix aqui em São Paulo.
As vezes eu participava de alguns encontros fora do evento e sua presença sempre era marcada pela sua simplicidade e bom humor.
Lembro de quando o Cedraz soube da Jaguara, me felicitou muito e desejou toda a sorte do mundo para ela e pra mim, e para minha surpresa, elogiava meu trabalho. Isso era algo gigantesco para um ilustrador que estava prestes a apresentar sua personagem para o mercado e para as pessoas.

Seus personagens sempre retravam condições de Vida real e dificuldades enfrentadas por muitas classes sociais e étnicas do povo Nordestino.

Em 2005 eu lancei a Jaguara e um mês após, o Cedraz me encomendou um exemplar que fazia questão que eu enviasse autografado.
Nem preciso dizer como me senti feliz em autografar para um ídolo meu. De verdade, é uma sensação de realização incrível que nunca se esquece...
Em 2006, houve uma oportunidade de participar de uma feira de licenciamento de marcas organizada pela Abral, através do Sr. Bonfá, presidente da associação na época e pela editora Forma.
Como era um pouco caro o espaço, pensei logo em propor aos organizadores um espaço coletivo, para que pudessemos participar e dividir as despesas e assim foi.
Eu tive o privilégio de convidar o Cedraz a participar e ele topou de imediato.
A feira foi um sucesso e uma experiência muito positiva para todos nós que participamos deste estande coletivo.


Foto tirada no estande de nossos amigos do "Guerreiros da Tempestade", de frente ao nosso.
Em pé: Luis Sales (autor de livros infantis), o arte-finalista Kleber, Sr. Walace (proprietário da agência W5), o editor Fábio Azevedo, Reinaldo (ilustrador), Anísio Serra Azul (desenhista), J. Wilson (arte-finalista) e Diego Mulhoz (ilustrador);
agachados e sentados: Cedraz, eu e Alexandre Montandon (quadrinista).

Fizemos muitas amizades e contatos de trabalho muito importantes, mas o que ficou realmente foi estarmos juntos lá. Muitas conversas, risadas e projetos nasceram a partir dali. E o principal: amizades feitas e reforçadas.
A presença do Cedraz, que ficou um dia inteiro conosco, foi incrível e percebi o quanto esse cara era querido e respeitado pelos outros colegas de profissão. Isso só aumentava minha admiração agora, pela sua pessoa.
Na feira, uma dessas ideias que levei lá foi a do jornal infantil Eureca! Superkids, onde convidei alguns ilustradores e autores amigos meus, para que cada um pudesse contribuir com seus personagens no produção do jornal, onde ele seria distribuido gratuitamente em colégios aqui em São Paulo.
Ao convidar o Cedraz, ele novamente topou de prontidão. O jornal era bancado por nós em um rateio enquanto eu buscava patrocínio de empresas com ajuda do Luis Sales.


Primeira impressão do Jornal Eureca! Superkids que circulou gratuitamente em mais de 30 colégios a cada 4 meses entre 2007 e 2009.

Quando o jornal saiu finalmente, foi uma alegria para todos nós é claro. Recebi uma ligação do Cedraz me parabenizando pelo projeto e que ele estava muito satisfeito em participar e que eu poderia contar com sua participação e colaboração enquanto o jornal durasse. E assim foi...
No mesmo ano em que lancei o jornal, o Cedraz ganhou um troféu HQ Mix pelo livro "Contos e Mistérios" merecidamente.
Eu estava lá junto do meu amigo Cidão e outros amigos registrando este momento:



Cedraz recebendo seu troféu HQ Mix em 2007 pelas mãos de Serginho Groisman e discursando para a plateia.


Foi emocionante e logo após o evento, nos reunimos com outros amigos de profissão em uma lanchonete ali por perto, onde o Cedraz fez questão de pedir licença para "pagar a conta" após dizer que estava muito feliz pelo prêmio e que fazia questão de pagar daquela vez. Bom, ninguém discutiu com o mestre.
Trabalhamos juntos até 2009 no ESK! (como chamávamos nosso jornal), quando infelizmente precisei suspender sua produção por falta de patrocínio financeiro.
Isso é algo muito dolorido de se fazer, principalmente porque eu fazia questão de visitar as escolas e distribuir e pude algumas vezes ver o rosto de alegria das crianças ao folhearem nosso jornal e ouvir os elogios das professoras e diretoras desses colégios sobre nosso trabalho.
Quando fui comunicar isso aos integrantes do jornal, foi triste demais e quando chegou a vez do Cedraz, ele me surpreendeu ao dizer que ainda iríamos colher os frutos desse trabalho e que não desanimasse de forma alguma, pois novos projetos viriam e que tinhamos de ser perseverantes, pois tinhamos um compromisso com as crianças que conheceram nossos trabalhos.
Bom, nunca esqueci isso. 
Ainda em 2009, eu lancei o primeiro livro do meu selo editorial junto do autor Djair Galvão, o "Saci de Duas Pernas", que conta as aventuras de Cássio, um sacizinho que nasceu "defeituoso" porque tinha duas pernas.
Novamente o Cedraz, ao saber do livro, me ligou, encomendando um exemplar autografado e rasgou de elogios a ideia e inciativa do livro. Hoje, este livro está em sua 3ª edição.
Mas de tudo que escrevi, de tudo que pude aprender e compartilhar com o mestre Cedraz, ficou uma conversa que tivemos em 2006, que me veio à tona agora como uma grande inspiração e um soco no estômago.
Eu estava sentado de frente ao Cedraz, no estande, enquanto ele olhava meu livro e alguns produtos com meus personagens, ele começou a falar sobre o mercado e o início de sua carreira.
Me disse que muitas vezes, ele colocava dinheiro do bolso para pagar seus funcionários e colaboradores de seu estúdio, não só para honrar sua palavra mas porque o seu estúdio era sua realização pessoal como autor. Ali era um mundo dele onde compartilhava com pessoas especiais (seus funcionários) e que faria todo o possível para manter.
Ele me disse que se um dia enriquecesse, todos ali iriam enriquecer juntos. 
Muitos desses pensamentos, dividíamos e isso era um privilégio enorme pra mim.
Dividiamos o respeito que precisamos ter com nossos leitores, que investem seu dinheiro para comprar nosso trabalho e dedicam um tempo de suas vidas para ler o que escrevemos. Isso não tem preço de jeito nenhum.

As diferenças sociais eram geralmente retratadas por seus personagens. Uma crítica de constatação sempre muito bem representada e ilustrada.

Conversamos muito sobre ética e sobre honrar o nome, o trabalho e nossos colaboradores.
Sim, falamos muito de "honra"...
Lembro de ter mostrado a ele um editorial que o Sergio Bonelli escreveu sobre meu livro e vi uma alegria muito grande em seus olhos e me disse que aquela realização era só minha mas que muitas pessoas poderiam se inspirar com aquilo. E a responsabilidade do autor é isso: saber que o que ele escreve e/ou desenha influencia as pessoas. Por isso devemos ter muito cuidado com o que escrevemos e/ou ilustramos e respeitar os leitores ao extremo, não só por conta de que eles pagam, mas principalmente por nos permitirem entrar em suas Vidas.

Cedraz demonstrava com maestria as dificuldades da falta de chuva no Nordeste de forma bem humorada mas não menos preocupante e reflexiva.

Um trecho dessa conversa de quase 2 horas que me marcou muito foi quando eu perguntei da semelhança com o trabalho do Maurício de Souza (formato do desenho e caracterização de crianças) e se isso o intimidava de alguma forma, em expor seus personagens no começo. Se tinha medo que que as pessoas poderiam apontar semelhanças, se ele tinha medo de se frustrar ou não ter verba suficiente para publicar seus livros... enfim, perguntas pertinentes, que após sua resposta se tornaram tolas.
"Meu amigo, eu precisava mostrar meu trabalho porque eu sabia que era um bom trabalho, porque pesquisei muito e pus muita "alma" nos personagens. Sabia que não ia ser fácil e que eu não tinha nem de longe o suficiente para bancar meus livros e quadrinhos. Eu não nasci gigante, mas quando precisamos enfrentar gigantes basta lembrar de subir em uma pedra e olhá-los nos olhos e dizer que também temos nosso valor..."
Essa frase me marcou muito. Não foi exatamente com essas palavras, mas o sentido de sua mensagem era essecialmente isso.
Não que o Maurício seja um concorrente para nós, na verdade pra mim, pro Cedraz e pra grande maioria dos criadores e ilustradores, o trabalho do Maurício sempre foi e será uma inspiração para todos nós.
Mas o Cedraz quis dizer com isso com algo que complementei: os "gigantes" muitas vezes não são o mercado ou os concorrentes, são nossos medos que nos impedem de nos mostrar, mostrar nosso trabalho e talento. Precisamos ser muito críticos com nosso trabalho, mas ao colocar "alma" e paixão em nossas criações, penso que temos uma grande chance de passar isso para os leitores.
E o que ficou pra mim de tudo isso? De ter compartilhado alguns importantes momentos com o mestre Cedraz e ter aprendido tanto?
Ao meu ver, e agora me lembro de uma conversa rápida ao telefone que tive com ele em 2011, após saber que enfrentava uma doença terrível, que houvesse o que houvesse, que ele estava tranquilo, pois seu trabalho o tinha realizado nesse mundo.
E novamente, ele tinha razão. O que ficou, além das boas lembranças e ensinamentos, foi sua obra que irá perpetuar seu trabalho, Amor e ideais para muitas gerações ainda.


Penso então que mereciamente, o Cedraz conseguiu o que para todos nós que temos nossas criações sonhamos: imortalizar nosso trabalho e fazer a diferença nesse mundo!
Acredito que cada ser humano vem a este mundo com um propósito.
Nós criadores, não somos diferentes e por isso nos foi dada a capacidade de poder trilhar o mundo real e o mundo da imaginação.
Posso então afirmar que você cumpriu com seu propósito mestre Cedraz.
E que, mesmo que estejamos passando por turbilhões e dificuldades em nossas Vidas pessoais, precisamos se necessário, subir em uma pedra e encarar gigantes para seguir em frente, pois temos um propósito a cumprir e fazer jus.


Um encontro entre o Xaxado e a Jaguara Mirim. Fofos e felizes...


Que honra enorme foi tê-lo conhecido, meu amigo!

Obrigado!!!!!!




25 de fev de 2013

57 - Produzindo Jaguara - Entrevista no programa "Quadrinhos para Quadrados e Redondos"

Toikobé!
Faz um tempinho que não posto nenhuma matéria e novidade, mas eis-me aqui novamente.
Desta vez, a novidade é uma entrevista que darei amanhã, dia 26 de fevereiro, no programa "Quadrinhos para Quadrados e Redondos", que vai ao ar pela TV Geração Z no UOL TV, todas as terças-feiras, das 9h00 às 10h00 ao vivo.
Quem me fez o convite foi seu apresentador Kendi Sakamoto, que conheci pessoalmente na entrega do Troféu Angelo Agustini recentemente.

Sem dúvida, é uma grande honra participar de um programa deste nível, direcionado ao público que curte quadrinhos e afins. Por lá já passaram grandes nomes, como Sidney Gusman, José Wilson Magalhães, Denise Ortega, Paulo Mafia, Fernando Ventura, Alexandre Silva e tantos outros grandes profissionais da nossa área.
Fui convidado para falar um pouco da minha carreira como ilustrador e designer gráfico, meu trabalho como colorista da Disney e como autor e editor de quadrinhos e livros infantis.
Vou falar um pouco do trabalho no estúdio Eureca!Design e principalmente, sobre a Jaguara e Jaguara Mirim.
Postei um pouco em cima da hora, pois minha intenção é colocar o vídeo na íntegra aqui no blog para aqueles que não puderem assistir ao vivo.
Postarei este vídeo até sexta-feira próxima.
Então, é amanhã, das 9h00 às 10h00, na TV Geração Z

Valeu!

17 de dez de 2012

56 - Produzindo Jaguara - Esboço do Jurupari

Toikobé!
Segue mais um esboço de um dos grandes antagonistas do universo da Jaguara: Jurupari!
Este demoníaco ser é quem rege um reino onde o principal alimento é a maldade humana.
Ele foi derrotado pelo semi-deus Tupã no livro "Jaguara - Guerreira e Soberana" e aprisionado novamente em Mundé-Poxy, o reino maldito.
Mas enquanto existir maldade nos corações da humanidade, este ser das profundezas pode emergir...


Até a próxima!

Valeu!

8 de nov de 2012

55 - Produzindo Jaguara - Arrivée en France

Toikobé!
Uma grande novidade surgiu de um contato muito legal que fiz com Eduardo Barbier, editor da revista em quadrinhos francesa La Bouche Du Monde.

Jaguara chegando à França através da La Bouche du Monde.
*Maira Monan! Que terra distante é essa?

Criada em 1991 em Belém do Pará com o nome de “A Boca do Mundo” e foi editada até o n° 4. Em 1998, na cidade de Narbonne ela renasce e se transforma em La Bouche du Monde, primeiro fanzine franco-brasileiro de quadrinhos aonde é editada até hoje. Em 2005,ela foi convidada no Festival Internacional de la Historieta de  Moron, Argentina e no mesmo ano ela participou da exposição HQ e BD, a arte do imagético, em São Paulo. Em 2008, o editor, Eduardo Brabier, foi convidado para o Festival internacional de quadrinhos da Argélia e no ano seguinte a BduM fez parte da seleção oficial do Festival Internacional de Angoulême.

Capa da 11ª edição, onde nosso conterrâneo Antonio Cedraz é homenageado e entrevistado.

Neste ano, através de um contato pelo face, o Eduardo me convidou a participar da seletiva do FIBDA 2012, enviando uma revista que edito e publico em parceria com a Editora Arresala, chamada Nabil.
Para nossa felicidade, a revista do Nabil foi selecionada e fez parte da Seleção Oficial do Festival, entre revistas do mundo todo.
Quando Eduardo conversou comigo dando a notícia, surgiu então a ideia de fazer uma história curta da Jaguara em sua revista. De imediato, adorei o projeto e acertamos então, a publicação dessa história da Jaguara em francês, que será traduzido pelo próprio Eduardo, para a La Bouche du Monde que sairá em março do ano que vem!!!
A história será um conto de guerra que fará parte de sua cronologia, diretamente ligada ao segundo livro da Jaguara, em fase de produção (60%) que sairá também no ano que vem.

2013 será o ano da sorte para nossa poderosa guerreira...

Valeu!